Estação Ferroviária

O ramal de Monte Alegre teve a construção iniciada pela RVPSC em outubro de 1942, especificamente para ligar a estação de Joaquim Murtinho (Raul Mesquita) à fábrica de papel e celulose da Klabin, na Fazenda Monte Alegre, junto ao rio Tibagi.

O primeiro trecho foi aberto em 1949, chegando a Barro Preto, mas somente em 1958 chegou à fábrica, que já operava havia cerca de dez anos. O ramal deveria ser estendido até Apucarana, na linha Ourinhos-Cianorte, bem como até Lysimaco Costa, no ramal de Barra Bonita, e dali a Cornélio Procópio, também na Ourinhos-Cianorte, mas ambos os prolongamentos nunca vieram a ser construídos. A vila operária da fábrica de celulose acabou por dar origem à “Cidade Nova”, mais tarde chamada de Telêmaco Borba.

Trens de passageiros circularam pelo ramal desde o seu início, até 1976/77, quando foram suprimidos. Entretanto, o tráfego de cargueiros para a fábrica continua até hoje, sendo o responsável pela operatividade da antiga linha Itararé-Uruguai, entre as estações de Uvaranas (em Ponta Grossa) e Raul Mesquita, passando daí diretamente para o ramal.

A estação de Harmonia foi aberta em 1958, como última estação do ramal. “Iniciou-se em 1962 na esplanada de Harmonia a estação definitiva mais 9 casas mais 1 casa de pernoite*” (*Relatório da RVPSC, 1962). A conclusão estava prevista para 04/1963. A ponta da linha fica até hoje pouco à frente, dentro da chamada bacia da Klabin. O prédio da antiga estação existe ainda de pé e está bem conservado, mas não está operacional (*informações de Edson, maquinista da ALL, em 11/2004).

“Em dezembro de 1973, Toledo Neto foi removido para exercer a chefia da estação de Harmonia. Então, a Klabin era proclamada como a maior da América Latina em seu segmento. Entre Harmonia e Telêmaco Borba, percurso rodoviário de 4 km, está o rio Tibagi, transposto através de ponte e onde também há o bonde aéreo, para 32 pessoas que possibilita, em 3 a 4 minutos, a travessia do vão livre com 1.318 m de comprimento e 76 m acima do nível do rio num vale semelhante a um cânion.

Em função do movimento, o terminal ferroviário de Harmonia era um dos mais rentáveis de toda a RFFSA, da qual a RVPSC era uma das subsidiárias. A amplitude de seu pátio possibilitava na época a estadia de até 600 vagões, em 6 linhas, que serviam ao transporte dos produtos da Klabin, com até três saídas diárias de trens movidos por locomotivas diesel-elétricas, perfazendo, no total, até 180 vagões cuja carga era majoritariamente destinada a São Paulo e Rio de Janeiro. Foi durante a gestão de Toledo Neto em Harmonia que ocorreu, sob forte e persistente chuva, um grande desmoronamento de terra (queda de barreira num corte alto) sobre cerca de 60 metros da linha férrea, cuja conseqüência foi o impedimento do concentrado fluxo de trens, problema esse resolvido graças a seus esforços como chefe da estação e da ação proposta e realizada pela Klabin, evitando que o tráfego ficasse paralisado por 10 a 15 dias, conforme previsto pela engenharia.

Toledo assumiu a responsabilidade de permitir, sem qualquer licitação ou estimativa de custo, a remoção da terra pelas máquinas da Klabin, que, no final, liberou a linha no mesmo dia sem nada cobrar da Rede” (segundo relatos de Paulino Manfrinato, Antônio Carlos deToledo Neto e Adélia Grou de Toledo, em 01/2006). Desta estação a linha deveria seguir até Apucarana, na linha Ourinhos-Cianorte, e, para o nordeste, encontrar Lysimaco Costa, no ramal de Barra Bonita, e Cornélio Procópio, também na linha Ourinhos-Cianorte. Estas ligações jamais foram construídas. “Em Harmonia, não conseguimos fotografar a estação, por estar em área restrita. A vila (ou bairro) de Harmonia é na verdade uma Vila de Funcionários da Fábrica da Klabin, e impressiona pela limpeza, organização e padronização. Parece até coisa de filme americano. Junto à vila, há a estação do Bonde Aéreo, que liga a fábrica à cidade, do outro lado do rio. As placas indicam a Estação Bacia, e não como Harmonia” (Douglas Razaboni, 03/01/2004). Na verdade, Bacia é como o pessoal chama o pátio da Klabin, a cerca de 4 km da estação. “Harmonia está abandonada, o pátio era enorme, existe lá ainda uma caixa de água e o triangulo, onde as vezes é feito o giro das locomotivas”

Fonte: http://www.estacoesferroviarias.com.br/pr-montealegre/harmonia.htm

Gostei, quero compartilhar!

Deixe uma resposta